A Importância do Engajamento Pessoal para as Organizações que Aprendem

Atualmente, muito se fala nos diferenciais ou vantagens competitivas proporcionadas pela gestão do conhecimento, pela enorme quantidade, variedade e facilidade de acesso a informações, pelas redes digitais, colaboração, interação e outras formas de se adquirir maior capacidade competitiva pelo investimento em sistemas, plataformas e modelos de gestão e organização destes ativos do Conhecimento.

Sem tirar o valor intrínseco de cada um deles, assim como da importância e vantagens em se desfrutar de ambientes, redes e ferramentas que proporcionem níveis de relacionamento, troca de dados, informações e/ou análises, há um outro fator que faz toda a diferença, antecedendo e acompanhando todos os momentos do uso conhecimento nas empresas, assim como no processo de interação entre pessoas: a capacidade de aprender.

Uma pessoa pode até receber mais informações e se relacionar melhor graças à tecnologia da informação, à massificação do acesso a ambientes digitais colaborativos, à mobilidade proporcionada por dispositivos conectados a Web e outros benefícios, mas, se não possuir as capacidades necessárias e um arsenal de conhecimento prévio acerca do tema ou assunto para aproveitá-las, certamente os melhores resultados não serão alcançados.

O processamento humano de dados e informações sob um racional próprio (porém adquirido, aprendido de diversas formas ou formatos) é que produz o conhecimento de valor. A capacidade de utilizar o conhecimento em prol da competitividade para as empresas não reside somente em modelos de gestão, bancos de dados, ferramentas, ambientes ou qualquer outro “device” que não o próprio ser humano. Todo este ferramental (tecnológico, digital) fundamentado ou não em processos estruturados de gestão da informação e do relacionamento facilitam o acesso, assim como podem promover uma grande aceleração no uso e beneficiamento dos dados e informações vindas dos diferentes ambientes, o que produz conhecimento agregado; porém, não se constituem no todo necessário para que uma organização torne-se uma empresa que aprende ou uma Learning Organization, segundo conceito criado por Peter Senge.

“A pessoa consegue realmente aprender algo mais com uma informação nova quando já sabe muito a respeito de um assunto (Peter Senge).”

Quanto mais uma pessoa conhece de algo, maiores serão as possibilidades de análises, agregações e variações de resultados em seu processo de interação com este algo. Na medida em que a capacidade de aprendizagem de uma empresa é fundamentalmente associada à capacidade de aprendizagem de seus colaboradores, de seu capital humano e intelectual, passamos a lidar com aspectos mais subjetivos e personalizados a características individuais, e, principalmente, o engajamento com causas e valores profissionais e pessoais que gerem uma aprendizagem em consonância com seus da companhia e do indivíduo.

Ainda segundo Peter Senge “as organizações que aprendem são aquelas nas quais as pessoas aprimoram continuamente suas capacidades para criar o futuro que realmente gostariam de ver surgir.”

O aprendizado sempre acontece quando as pessoas estão de frente a questões essenciais ou se vêem diante de desafios que lhes motivam. Neste aspecto, as empresas têm um importante papel a desempenhar, principalmente no que tange ao compartilhamento e/ou construção de sua visão, missão e valores corporativos, assim como na comunicação da importância e contribuição de cada uma das áreas e pessoas para o atingimento dos objetivos propostos.

A prática diária de ações e atitudes que deixem clara a importância que cada um tem e o quanto é importante a pessoa e para a empresa que seu desenvolvimento e aprendizado tragam resultados positivos acaba por promover um clima de cooperação e sentimento de participação que tende a promover melhores resultados para todos os envolvidos.

Em uma empresa, a aprendizagem está relacionada aos seus grandes desafios, metas e objetivos e a maior parte das pessoas é motivada a aprender por estar comprometida com a visão e abordagens corporativas para o atendimento dos objetivos propostos.

Para Peter Senge, se as pessoas acharem que o único objetivo da empresa é ganhar dinheiro, provavelmente deixarão de assumir qualquer compromisso. Tomando-se como referência seu livro “A Quinta Disciplina”, o autor propõe que se a companhia conseguir o engajamento das pessoas, seu próximo passo é fomentar a capacitação para as cinco disciplinas de aprendizagem no modelo de gestão do aprendizado, a saber: domínio pessoal, modelos mentais, visão compartilhada, aprendizado em equipe e pensamento sistêmico.

“A primeira disciplina é o domínio pessoal. Significa aprender a expandir as capacidades pessoais para obter os resultados desejados e criar um ambiente empresarial que estimule todos os participantes a alcançar as metas escolhidas;

A segunda disciplina, que chamo de modelos mentais, consiste em refletir, esclarecer continuamente e melhorar a imagem que cada um tem do mundo, a fim de verificar como moldar atos e decisões;

A terceira disciplina, visão compartilhada, é estimular o engajamento do grupo em relação ao futuro que se procura criar e elaborar os princípios e as diretrizes que permitirão que esse futuro seja alcançado;

A quarta disciplina, aprendizado em equipe, está em transformar as aptidões coletivas ligadas a pensamento e comunicação, de maneira que grupos de pessoas possam desenvolver inteligência e capacidades maiores do que a soma dos talentos individuais;

E, finalmente, a quinta disciplina, pensamento sistêmico, é criar uma forma de analisar e uma linguagem para descrever e compreender as forças e inter-relações que modelam o comportamento dos sistemas. É essa quinta disciplina que permite mudar os sistemas com maior eficácia e agir mais de acordo com os processos do mundo natural e econômico.”

O aprendizado ocorre em todas as empresas, independentemente de sua localização, setor ou ramo de atividade. O que existe são empresas que possuem níveis diferentes de maturidade organizacional, repercutindo diretamente na utilização como diferencial competitivo de seus ativos intelectuais. Muito mais do que prover informações e dados de forma estruturada e organizada, a real diferença do conhecimento corporativo se tangibiliza na capacidade e na qualidade da utilização e agregação de valor a ele, pela empresa e, principalmente, pelos seus colaboradores.

dbb0a10ab7fa58471171d5767478b43ddelicious

Discussion

No responses to "A Importância do Engajamento Pessoal para as Organizações que Aprendem". Comments are closed for this post.

Comments are closed at this time.