Construção de Reputação Corporativa através da Reputação dos Indivíduos

A única certeza estratégica que uma empresa ou profissional podem ter no contexto caótico atual de superexposição dos stakeholders a múltiplas mensagens de comunicação, promoção e branding é de que seu maior ativo reside na sua Reputação (Credibilidade e Imagem), construída ao longo de seu histórico de relacionamentos, posições, atitudes e entregas.

Tal Reputação é o indicador que permite a cada stakeholder atribuir relevância e importância às informações que recebe continuamente da empresa, uma vez que, quando presentes, estas características tendem a agregar maior valor e alinhamento de objetivos e interesses entre empresa-clientes – bem como uma a chance maior de resposta, colaboração, impacto positivo ou call to action.

Saber separar o joio do trigo no campo da informação é o grande desafio enfrentado e nada melhor do que contar com sua própria rede de confiança para ajudar nesta tarefa inglória. No caso do consumidor, conhecer o resultado real oferecido pela aquisição de um produto, através do acesso à experiência de compra, por quem a vivenciou de fato, é crucial para que o mesmo possa reduzir ao máximo sua incerteza e mitigar os riscos de se sentir insatisfeito ou enganado.

O motivo para confiarmos primariamente nessas fontes tem como base o instinto de auto-preservação de cada indivíduo, que antes de emitir um parecer ou opinião de consumo, irá considerar mais de “2” vezes se a mesma vai impactar negativamente sua imagem, estima e credibilidade frente aos demais integrantes de seu grupo: uma dinâmica de responsabilidade que não necessariamente existe nas comunicações de massa.

E como se posiciona o Marketing dentro deste novo contexto de co-construção de Reputação através de Reputação? Ou, quando o Marketing irá aprender interdepender da Reputação dos Stakeholders da empresa (principalmente clientes) para construir a Reputação da própria empresa, tanto corporativa, como de marcas e produtos?

O Marketing, como o conhecemos, com suas idiossincrasias e desgovernanças está com os dias contados pois seu caráter anti-econômico, intensivo em investimentos (budgets, verbas, fees) e avesso à indicadores, métricas e controle – sem correlação direta com resultados tangíveis e intangíveis – não tem apelo na nova realidade da Reputação .

Exceções à parte, o que era para ser o motor mercadológico e de inovação e renovação das empresas, acabou por se especializar em aumentar de tamanho e tratar de si próprio, na maioria das vezes descolado das reais necessidades corporativas e de seus stakeholders.

Dessa forma, um Novo Marketing anseia por ser criado. Aparentemente, hoje, as empresas estão forçadas a administrar sua “Conta Corrente Diária de Reputação” (institucional, de suas marcas e de seus executivos/colaboradores), que se torna negativa ou positiva em função da resultante da somatória de opiniões, análises, percepções e expectativas que os diversos stakeholders da empresa, geradores de mídia, constroem e reverberam de forma global e instantânea na chamada Web 2.0 e sua blogosfera, Sites de Buscas, Redes e Comunidades, além, é claro, de seu efeito de replicação imediato nas relações pessoais interativas (boca a boca presencial) e nas mídias tradicionais offline, como TV e rádio.

Gerenciar esta conta corrente não é tarefa fácil, assim como não é missão das mais tranqüilas interagir com qualidade e valor com os diversos stakeholders corporativos. Definitivamente as empresas não estão preparadas para isso, seja por conta de mind-set e valores estratégicos corporativos, seja por conta de chassis de processos, sistemas e arquitetura organizacional.

Entretanto, gerenciar essa conta corrente da Reputação e transformá-la em resultados superiores (vender produtos melhores que os concorrentes para clientes mais fiéis, gerando mais valor ao acionista e market-share para empresa) é tarefa do Novo Marketing que é, por sua vez, formado pelo Marketing de Reputação e pelo Marketing de Relacionamento.

  • O Marketing de Reputação, centrado no branding, organizado em torno da relação dos diversos stakeholders com os atributos e valores das marcas corporativas e de produtos da empresa e,
  • O Marketing de Relacionamento, centrado no trinômio inteligência, planejamento e suporte a vendas, ligado, em toda extensão do Customer Life Cycle, aos diversos Clusters de Clientes e aos Produtos e Serviços da empresa, que consomem ou podem vir a consumir.

Apesar de a construção da Reputação Corporativa e, portanto de sua Imagem e Credibilidade, através da evolução e aprofundamento do relacionamento com os stakeholders da empresa (Customer Centricity) ser a finalidade maior do Novo Marketing, em termos práticos, tal definição imporá novas estruturas organizacionais e funcionais, além de novas atribuições, skills, abordagens e métricas específicas para o Marketing. Um desafio que a maioria das empresas não está preparada, mas que será mandatório na era da Reputação Corporativa.

a220270d1b989deb29db1b48e263de71delicious

Discussion

No responses to "Construção de Reputação Corporativa através da Reputação dos Indivíduos". Comments are closed for this post.

Comments are closed at this time.